BOTÕES TRADUZEM A PAIXÃO

BOTÕES TRADUZEM A PAIXÃO POR FUTEBOL – Jogadores se reúnem no Meninos Futebol Clube para praticar futebol de mesa – Manhã de sábado chuvoso. Quinze jogadores reúnem-se em uma pequena sala nos fundos do Meninos Futebol Clube, no Rudge Ramos. Cada jogador traz uma maleta com flanela e “jogadores” para disputar uma partida em clima de final de campeonato. Esse é o ambiente encontrado nos jogos de futebol de mesa. A tradição é a característica principal nos costumes dos atletas de botão.

O futebol de mesa, popularmente conhecido como futebol de botão, foi criado no final dos anos 20 pelo brasileiro Geraldo Décourt (1911-1998). O inventor da modalidade nasceu em Campinas. Foi pintor e escritor e criou, em 1929, o “Celotex” (por conta do material usado nas peças), que se tornaria mais tarde o popular futebol de botão.

A atividade passou de uma brincadeira de criança para modalidade esportiva, em 1986. Hoje, conta com uma legião de praticantes espalhada pelo mundo e reúne jogadores de todas as idades.

Atualmente, o esporte tem 2.500 filiados na Federação Paulista de Futebol de Mesa e diversos campeonatos. O mais recente teve 176 inscritos e foi realizado no Meninos Futebol Clube, no Rudge Ramos. Corinthians e Palmeiras, que têm divisão da modalidade, e o clube de São Bernardo, participaram.

Atual campeão paulista adulto 2010, Mauricio Faccio, 29, disse que a paixão pelo futebol de mesa vem de família. “Todo sábado nos reunimos. É uma tradição do esporte. Passa de pai para filho”, disse Faccio, que joga pelo Meninos.

Alguns clubes levam tão a sério o esporte que contratam os melhores jogadores para atuar pela equipe. O Corinthians, em 2010 (ano do centenário do clube), contratou praticantes para representar o clube nas competições esportivas. Tal investimento fez com que os corintianos conquistassem o Campeonato Paulista deste ano.

Segundo o presidente da Federação Paulista e Confederação Brasileira de Futebol de Mesa, Jorge Farah, o esporte vem ganhando cada vez mais adeptos. “Estamos retomando o crescimento que ocorreu nos anos 60 e 70. A diferença é que agora somos organizados em federações (18) pelo Brasil e pela Confederação Brasileira de Futebol de Mesa, que coordena o esporte no país.”

A tradição do futebol de botão vai além das fronteiras brasileiras. Farah é tambem o criador do site “Futebol de Mesa News” e afirmou que torcedores espalhados pelo mundo querem saber mais sobre o futebol de mesa. “Temos muitos visitantes do Japão e da Hungria interessados nos campeonatos que realizamos no país.”

Perfil – Além da habilidade com os botões, o fator emocional é primordial para o sucesso no esporte.

Para o jogador profissional de futebol de botão Vinicius Ramalho, 30, o esporte é “80% emocional e 20% técnica”. No fator emocional, vale até ultilizar os jogadores reservas e estratégias de jogo diferentes durante as partidas.

O esporte ainda é dominado pelos homens. Atualmente, só existem quatro mulheres filiadas na Federação Paulista e somente duas delas competem em torneios organizados pela entidade.

DIEGO RAMOS
LUIS FELIPE CHECCHIA
Do Rudge Ramos Jornal*

*Esta reportagem foi produzida por alunos do curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Bernardo